Você já ouviu falar sobre a metodologia six sigma?

Diante de um cenário econômico desafiador e mercado altamente competitivo, as organizações precisam tomar algumas medidas para sobreviver. É aí que entram em cena ferramentas que visam promover a redução de custos e a otimização de recursos. Um bom exemplo é a metodologia six sigma.

Trata-se de uma abordagem estruturada, que visa identificar a raiz dos problemas existentes, em busca das melhores maneiras de solucioná-los. A ferramenta é internacionalmente reconhecida e traz benefícios a diversas empresas dos mais diferentes segmentos.

Se você deseja entender melhor, continue lendo. Preparamos abaixo um miniguia com um pequena introdução sobre a metodologia six sigma.

O que é a metodologia six sigma?

Em estatística, sigma corresponde a uma medida de variação. Quando falamos em ambiente corporativo, o sigma pode ser entendido como uma medida que avalia se os processos internos são estáveis e eficientes.

Visto de outra forma, o nível de sigmas pode ser entendido como uma espécie de taxa de desperdício. Com uma utilização otimizada de recursos, nessa situação, os processos internos serão muito capazes, com pouco desperdício de material e excelente uso dos recursos. 

Assim, o Six Sigma é uma metodologia com ferramentas estatísticas e de análise que visa reduzir a variação dos processos, criando estabilidade e bom uso dos recursos. 

Como ela funciona?

O primeiro passo para aplicação da metodologia é estabelecer indicadores para as principais despesas e também para medir o desempenho dos principais processos. Por mais óbvio que pareça, algumas empresas infelizmente ainda não tem essa questão bem estabelecida. 

Uma vez estabelecidos esses indicadores, é importante definir metas. Para defini-las, devemos passar por algumas etapas. As metas precisam ser definidas, entretanto, dentro da realidade da empresa, desafiadoras, mas que possam ser alcançadas, respeitando a realidade de cada empresa e situação. Não é recomendável copiar modelos e metas utilizados por outras empresas. 

Uma vez que os resultados mensurados não estejam atingindo as metas definidas, inicia-se um projeto e a análise do processo para entendimento do problema. Busca-se definir como cada processo deve ser realizado, quais controles e variáveis devem ser mapeados e seguidos. A ideia que fundamenta essa lógica é a de que para ter um resultado previsível e dentro do esperado (saídas do processo), deve-se controlar as variáveis da atividade (entradas do processo). Um bom resultado deve ser confirmado por dados e medições. 

Um dos pontos principais do uso da metodologia é a tomada de decisões baseadas em dados concretos. A metodologia six sigma permite uma análise pela qual nada é feito na empresa a partir de “achismos”. ​

Por que trabalhar com a metodologia six sigma?

Os indicadores são importantes para que a empresa trabalhe de forma mais organizada e eficaz. Dessa forma, é possível manter maior controle sobre os processos que ocorrem dentro da empresa, e ganha-se no gerenciamento, já que o tempo é otimizado. Isso reflete até mesmo na produtividade.

Valem os ditados amplamente conhecidos “gerenciar e medir”, e ainda “você não consegue melhorar aquilo que não está medindo”. 

O uso desses indicadores também pode ajudar a construir uma base para a implantação futura de um programa fundamentado em dados. É esse tipo de ação que permite o desenvolvimento e crescimento da instituição no mercado.

Quais os resultados que ela traz para a organização?

A metodologia six sigma é capaz de melhorar a qualidade, tanto de processos internos, quanto do produto final. Isso porque ambas as vertentes caminham juntas: a melhoria da qualidade do produto é consequência de bons processos. 

Ela melhora a eficiência de cada atividade ou operação, e reduz os custos, visto que visa minimizar desperdícios e otimizar a aplicação de recursos. Dessa forma, defeitos e falhas vão sendo reduzidos, fazendo com que os efeitos possam ser sentidos até mesmo pelos clientes finais.

Uma mera redução de custos sem análise poderia deixar os processos “órfãos” de recursos que são realmente necessários, o que traria um efeito adverso, com prejuízos à qualidade. Com a metodologia six sigma, se bem aplicada, é possível eliminar apenas os custos desnecessários, que nada agregam à qualidade dos produtos ou serviços.

Como utilizar corretamente a metodologia six sigma?

Um dos principais componentes da metodologia six sigma é o DMAIC (Definir, Mensurar, Analisar, Implementar e Controlar).

Trata-se de um roteiro a ser seguido na execução de um projeto. Com essa estrutura, fica mais fácil cumprir as metas determinadas. Entretanto, o primeiro passo é defini-las. Em seguida, vem a mensuração onde verifica-se como os processos são realizados atualmente e o que precisa ser modificado.

A análise é o ponto principal. Entende-se as causas, define-se contra-medidas, testa-se soluções, confirma-se o resultado. Entretanto, para isso, é necessário aderir à correta aplicação do método, com toda a sua estrutura e complexidade. 

O próximo passo é a implantação efetiva do que foi determinado no projeto. Por último, é importante manter o controle: será que os processos modificados estão realmente trazendo melhorias? Muitas vezes, ajustes se fazem necessários no decorrer do processo. É importante que eles sejam realizados o mais rápido possível, para que os resultados caminhem, cada vez mais, rumo à classificação six sigma.

Outra ferramenta complementar à metodologia six sigma é o lean. Tanto que já existe hoje uma versão chamada Lean Six Sigma. Na verdade, o lean pode ser entendido como uma espécie de complemento que fornece conceitos e princípios que ajudam a direcionar a aplicação do six sigma, além de apresentar um conjunto de práticas e comportamentos que influencia o alcance dos resultados.

Quem adere ao Lean Six Sigma visa implantar medidas para eliminar desperdícios, sejam eles provenientes de qualquer fase dos processos internos. Além disso, essa ferramenta também otimiza os prazos, diminuindo o período de espera dos clientes.

Percebeu de que forma a metodologia six sigma pode ajudá-lo a entender os reais problemas dos seus processos internos? É importante ter em mente que, hoje em dia, olhar somente o faturamento e o fluxo de caixa não são medidas suficientes para garantir a real lucratividade do negócio, uma vez que esta é a consequência da eficiência dos processos internos.

Se este post foi útil para você, entre em contato conosco e conheça nossas soluções em consultoria empresarial.

Fábio Alves

Sócio-Diretor da Kimia. Consultor em Lean com projetos implantados no Brasil, Suécia, Suíça, México e Espanha. Engenheiro de Produção, CPIM.

Deixe uma resposta