Saiba como a consultoria lean pode aumentar o lucro da sua empresa

A competitividade desafia os gestores a uma busca constante por eficiência, alinhamento dos departamentos aos objetivos do negócio e a manutenção da lucratividade. Contratar uma consultoria lean pode oferecer um grande diferencial estratégico, reduzindo custos e agregando valor para os clientes.

A metodologia lean já é amplamente utilizada na indústria, e vem ganhando espaço em empresas de diferentes setores não industriais. Mas, nem sempre as técnicas e ferramentas que a compõem são implantadas adequadamente.

Para um melhor entendimento do assunto, elaboramos este artigo que aborda os princípios da filosofia lean e as principais vantagens que a consultoria pode oferecer. Continue a leitura para saber mais!

O que é a metodologia lean?

O termo “Lean” (do inglês) significa “magro”, sem excessos. Aplicado às empresas, adquire um conceito de “enxuto”. A metodologia Lean é fundamentada em princípios e técnicas operacionais que tem como objetivos a redução do desperdício, a melhoria contínua e a maximização do valor entregue ao cliente.

Origem dos princípios

Esses princípios foram criados por volta de 1950 pela Toyota, objetivando otimizar a produção de veículoscom uma filosofia orientada à eficiência e eficácia de processosO foco se concentra em gerar mais valor com menos trabalho. Embora seja uma metodologia criada para indústrias, nas últimas décadas, ela tem sido utilizada por vários segmentos como bancos, seguradoras, hospitais e empresas de serviços.

Quais são os princípios do lean?

Lean Manufacturing integra uma filosofia de gestão voltada à otimização dos processos produtivos, redução de desperdícios e entrega de produtos com maior valor agregado. A metodologia contém 5 princípios básicos que, aplicados em conjunto, geram sinergia para a busca da melhoria contínua dos processos e da entrega de produtos ou serviços.

1. Definir o que é valor sob a ótica do cliente

O valor de um produto tem relação direta com o atendimento às necessidades do cliente. Portanto, é preciso eliminar atividades desnecessárias que não geram valor e focar nas que agregam.

Quando existem processos complexos que envolvem a participação de muitas áreas (em empresas com muitos departamentos), é frequente que as reais necessidades do cliente percam importância devido às restrições de cada setor. A “definição do valor” ao cliente é importante para relembrar quais as reais necessidades dos clientes.

2. Identificar o fluxo de valor

É uma etapa que visa identificar o nível de valor agregado em cada atividade dos diferentes processos. Para tanto, é realizada uma análise separando-os em 3 tipos:

  • os que agregam valor;
  • os que não agregam valor — com importância para a manutenção dos processos (ou seja, ainda são necessários);
  • os que não agregam valor — que devem ser eliminados, pois são desperdícios.

3. Fluxo contínuo

Trata-se da otimização do fluxo produtivo, sem interrupções entre os processos. O objetivo é simplificar, evitando tempos de espera entre as etapas de agregação de valor.

Essa é uma importante ação para melhoria do desempenho dos processos, já que possibilita eliminar atividades que não estejam contribuindo.

4. Puxar

A produção puxada é o oposto da “empurrada”, que exige promoções para a desova de estoques. O foco é produzir um produto ou serviço apenas quando for solicitado e permitir que o cliente “puxe” o produto no momento e na quantidade desejada, por meio do fluxo de valor, resultando em um atendimento muito ágil ao cliente.

5. Perfeição

Esse é o princípio norteador para todos os esforços da empresa. É um círculo virtuoso de melhoria contínua, que evita falhas e envolve os quatro princípios anteriores, em busca do aperfeiçoamento contínuo. Cada mudança implementada nos permite enxergar novas oportunidades para melhorar continuamente.

O que são os 7 desperdícios?

Um dos principais fundamentos da metodologia Lean, ou gerenciamento enxuto, é a identificação de desperdícios. Tudo o que consome recursos, adiciona tempo e custo e não agrega valor ao produto ou serviço deve ser eliminado. Muitas vezes eles ficam camuflados em meio aos processos. Uma forma eficiente para identificá-los é considerar os “7 tipos de desperdícios” que normalmente ocorrem em grande parte dos processos. Veja a seguir, quais são os mais comuns.

1. Superprodução

Refere-se à produção que se antecipa a demanda, ou seja, antes que seja necessária. A superprodução ocorre por diversos fatores relacionados aos equipamentos, tais quais:

  • O longo tempo de preparação (setup)
  • A baixa confiabilidade e disponibilidade
  • O paradigma de que devemos mantê-los em funcionamento o tempo todo
  • E a falta de sincronização entre a produção e a demanda

A metodologia Lean estabelece a produção em quantidades exatas, em pequenos lotes e no momento necessário, uma vez que os processos possuem tempos de setup reduzidos e alta disponibilidade de equipamentos. A superprodução é a responsável por problemas no atendimento ao prazo e pela geração de estoques de itens obsoletos (muito tempo parado em estoque sem vendas).

2. Espera

Esse desperdício ocorre quando algum recurso ou equipamento não está produzindo. É possível observar em ambientes de trabalho — em chão de fábrica ou escritório — pessoas esperando por informações, materiais, entre outros. É um gargalo que tem como um dos principais motivos a instabilidade e o desbalanceamento entre as diferentes etapas do processo produtivo. Qualquer espera desnecessária fatalmente gera atrasos e aumento dos custos, uma vez que gera uma interrupção do fluxo.

3. Transporte

A movimentação de materiais com transporte, que muitas vezes pode ser evitada, gera um grande desperdício e não agrega valor. O deslocamento desnecessário, normalmente é provocado por fluxos truncados, layout inadequado ou estoques intermediários que ficam localizados distantes da linha de produção.

4. Processamento desnecessário

Esse desperdício pode ser facilmente identificado quando são realizadas ações desnecessárias na produção de algum produto. Funcionários conferindo a qualidade do produto (inspeção 100%) é um exemplo comum desse tipo de desperdício.

5. Movimentação de pessoas

São desperdícios em atividades da equipe, que poderiam ser evitados. O Lean se fundamenta em melhorar a forma como o trabalho é realizado, de maneira a reduzir e otimizar a movimentação das pessoas. O tempo gasto com a localização e escolha de ferramentas, por exemplo, será reduzido. Afinal, estamos falando de fazer mais sem aumentar os recursos utilizados, não é mesmo?

6. Defeitos

Essa é considerada uma das maiores causas de desperdício. Os defeitos em produtos geram outros desperdícios, como perda de materiais, movimentação, mão de obra, retrabalho, entre outros. Além disso, podem ocorrer situações em que os defeitos são detectados pelo cliente, gerando custos de reposição, fretes e até perda de pedidos.

7. Estoque desnecessário

A metodologia Lean considera que produtos ou serviços precisam ser consumidos, seja pelo consumidor final ou pelo processo seguinte em uma cadeia produtiva. Quando o consumo não ocorre gera-se um estoque. Esse é um sério problema para as empresas, já que o custo do capital parado é um grande desperdício. O estoque também pode esconder vários outros prejuízos como o atraso na detecção de defeitos, que gera retrabalhos em grandes lotes.

Quais são as vantagens em contratar uma consultoria lean?

Em termos gerais, a contratação de uma consultoria proporciona várias vantagens competitivas para as empresas, como o aumento da qualidade, redução de custos, agilidade e flexibilidade, ATRAVÉS DA APLICAÇÃO CORRETA DA METODOLOGIA LEAN. Os resultados são alcançados com eficácia, pois a implantação da metodologia envolve e alinha todos os colaboradores aos objetivos da empresa. Confira a seguir, as principais vantagens específicas que a consultoria oferece.

Aumento do lucro

Utilizando as técnicas e ferramentas Lean, a consultoria identifica de maneira sistemática as oportunidades com base no aproveitamento do potencial da empresa. Desenha planos, proporciona ritmo à implantação das ações e fornece suporte a todos os funcionários envolvidos.

Melhoria dos processos

Os processos internos ganham agilidade e objetividade com a aplicação de métodos e técnicas para identificar e eliminar, de maneira sistemática, atividades que não agregam valor aos clientes.

Desenvolvimento de planos alinhados

O alinhamento dos diferentes departamentos aos objetivos de uma empresa é uma atividade fundamental para obter ganho de competitividade. A visão focada apenas na área de atuação de forma isolada é um erro muito comum. O conhecimento técnico e estratégico da consultoria visa a eficiência global e alinha as diferentes áreas de uma empresa com os resultados desejados, por meio de um redirecionamento organizacional.

Realização de projetos simultâneos

Empresas que trabalham com vários projetos simultâneos muitas vezes têm dificuldades em gerenciar e analisar os resultados específicos. A consultoria administra e acompanha cada um dos projetos avaliando seu impacto sistêmico. Cada implantação realizada faz com que a maneira de trabalhar da empresa passe por uma mudança, de forma que a consultoria suporta o cliente no gerenciamento das mudanças.

Como foi possível verificar, a adoção de uma metodologia voltada à melhoria contínua dos processos é de fundamental importância para agregar valor aos clientes. A contratação de uma consultoria lean proporciona um redirecionamento organizacional, com o alinhamento e a integração dos colaboradores, impulsionando a lucratividade.

E você, gostaria de adotar estratégias competitivas na sua empresa? Para saber como contratar uma consultoria Lean, entre em contato conosco!

Guilherme Sandrini

Deixe uma resposta