Liderança lean: entenda o que é e quais seus benefícios e características

É cada vez maior o número de empresas — de diferentes mercados — que estão aplicando o lean na melhoria dos seus processos. E isso é uma excelente notícia. Normalmente, isso é realizado por meio de um projeto (A3 ou Evento Kaizen) que utiliza algumas das conhecidas ferramentas do lean, de forma que um problema ligado à operação seja resolvido.

Entretanto, o lean é mais que a aplicação de ferramentas específicas. Ele também envolve a maneira como os gestores agem no dia a dia, tomam decisões e, especialmente, influenciam suas equipes a identificar e resolver problemas que atrapalham o desempenho da operação.

Falaremos mais a respeito de como a “liderança lean” pode suportar o processo de melhoria contínua e intensificar a agregação de valor ao cliente, de forma que a atuação dos líderes possa impactar tanto o resultado quanto as mudanças de processo.

Este artigo é uma introdução à liderança lean. Nele, você entenderá o que ela é, conhecerá suas principais características e descobrirá quais são os princípios de atuação de um líder lean.

O que é liderança lean?

O engenheiro americano Bob Emiliani foi um dos primeiros a teorizar que os princípios do lean também funcionariam fora do chão de fábrica onde foi criado, modificando também a capacidade de liderança do próprio executivo. Seu primeiro livro sobre o assunto é o Practical Lean Leadership: A Strategic Leadership Guide For Executives, publicado em 2008.

Antes de mais nada, a liderança lean requer uma mudança de perspectiva em relação à atuação de um líder: de um supervisor para um professor (ou sensei) focado em desenvolver cada liderado, gerando aprendizado e suportando o processo de melhoria.

Quais são as características da liderança lean?

A liderança lean tem várias características e também vantagens. Vamos conhecer algumas delas.

Trazer os problemas à tona

Um líder lean deve inspirar as equipes a expor os problemas assim que detectados, para que eles possam ser resolvidos.

Parando para pensar, essa é uma grande mudança de paradigma. Em muitas empresas — para não afirmar que isso ocorre na maioria delas —, as pessoas acabam sendo responsabilizadas por trazer um problema à tona, de forma que a própria organização sufoca o nascimento de qualquer iniciativa que possa gerar uma melhoria. Essa é uma questão fundamental, já que o primeiro e mais importante passo para a melhoria é reconhecer que existe um problema e que ele precisa ser resolvido.

Oferecer resposta rápida

Complementado o ponto anterior, os problemas detectados devem ser corrigidos — e rápido. Todo processo ou resultado fora do esperado pode ser considerado um problema. A correção rápida de um problema ou anomalia é a chave para melhorar o desempenho e garantir a estabilidade do processo.

Não é novidade que processos enxutos geralmente acabam sofrendo paradas sempre que um problema é detectado. A parada em si é obviamente algo ruim. Entretanto, cada parada gera a urgência necessária para que equipes e líderes busquem sua resolução imediata e evitem sua reincidência no futuro. Assim, o acompanhamento do processo de perto e a prontidão para a resolução de problemas são aspectos da cultura da empresa fortemente influenciados pela liderança.

Motivar e desafiar a equipe

Líderes lean devem ter a capacidade para motivar os membros da equipe, gerando envolvimento e fazendo com que todos participem da busca por soluções.

Sempre que um líder decide sozinho o que deve ser realizado e apenas exige que seus liderados sigam o que foi decidido, ele faz com que toda a responsabilidade seja transferida da equipe para ele. Com isso, o conhecimento que as pessoas têm sobre o processo e o compartilhamento da responsabilidade pelo bom resultado acabam sendo perdidos.

Na prática, o líder lean deve estar focado em realizar boas perguntas à sua equipe, em vez de dar respostas o tempo todo. Ele deve propor desafios. Deve fazer com que a equipe busque soluções e não despreze o conhecimento do processo que ela possui.

A equipe, por sua vez, sentirá que é ouvida por seu líder e que é importante. Isso quase sempre gera forte engajamento.

Quais são os princípios da liderança lean?

Nessa seção, você vai conhecer três princípios de atuação do líder lean de maneira prática.

“Vá ver”

O líder lean deve sempre se dirigir ao “gemba”, que é uma expressão extraída de um termo em japonês (genchi genbutsu) para descrever o “local onde o valor está sendo realmente criado” (traduzida livremente). Ou seja, ele deve ver a situação com seus próprios olhos e conversar com os envolvidos diretos em cada atividade.

Essa prática reflete uma liderança que acompanha o processo de perto e é atuante, que observa a situação antes de dar um parecer ou tomar uma decisão baseada em paradigmas preexistentes.

(Nosso próximo artigo sobre “liderança lean” fornece mais detalhes sobre a “ida ao gemba”, CLIQUE AQUI para continuar a leitura)

Pergunte porquê

Uma conhecida técnica do lean é a “análise dos 5 porquês”. Muito mais que uma simples atitude de curiosidade, ela reflete a busca pelas causas de cada problema. Sintomas são superficiais, mas causas podem ser muito profundas e exigir que se pergunte “porquê?” 5 ou mais vezes até chegarmos a elas.

O líder lean, ao perguntar “porquê?”, faz com que as equipes tenham que refletir a respeito e pensar antes de agir. Além disso, outras perguntas como “quais são as alternativas?”, “qual delas é a melhor?” e “quais os resultados esperados?” serão realmente desafiadoras e exigirão que a equipe esteja convicta e muito bem embasada ao propor a solução para um problema.

É impressionante como a atitude do líder pode influenciar a maneira como cada equipe atua, não é mesmo?

Demonstre respeito

Ir ao “gemba” e perguntar “porquê?” fará com que o líder e as equipes enxerguem problemas de maneira sistemática. No entanto, como afirmamos, as pessoas não podem ser punidas por trazerem problemas à tona.

O líder deve mostrar respeito pelas equipes, de forma que elas entendam que seu papel é suportar o processo de melhoria. Em nossa atuação junto às empresas em atividades de consultoria, sempre dizemos que “devemos ser duros com os problemas e não com as pessoas”. O resultado final será bom ou ruim muito mais em função dos processos existentes (bons ou ruins) do que em função do desempenho individual de cada colaborador.

Fica claro que a transformação para uma liderança lean não é realizada da noite para o dia. É um processo que requer disciplina e prática, bem como a substituição de noções tradicionais e ultrapassadas em gestão e liderança. E a mudança vale a pena! Líderes lean deixam um legado em aprendizado e crescimento que permite que as pessoas melhorem a maneira como seu trabalho é realizado e as empresas criem produtos de maior valor para seus clientes.

Você contará com mais ajuda nessa direção nos próximos dois textos desta série sobre liderança lean. CLIQUE AQUI para saber mais.

Powered by Rock Convert

Fábio Alves

Sócio-Diretor da Kimia. Consultor em Lean com projetos implantados no Brasil, Suécia, Suíça, México e Espanha. Engenheiro de Produção, CPIM.

Deixe uma resposta